Sobre Mim

Mônica de Jesus

Mônica Maria de Jesus Costa

Pastora, Palestrante, Coach Alta Performance, Consultora Empresarial, Administradora do Lar, mãe de Seis Filhos, casada com o Pastor e Administrador Frank Costa.

Sou Graduada em Marketing, Teologia, MBA em Consultoria Empresarial, MBA em Coaching Aplicado a Gestão de Pessoas;

Trabalho há mais de 12 anos na Gestão de Pessoas tanto no Corporativo, quanto Eclesiástico(Igreja). Desenvolvo Mentoreamento e Coaching com mulheres elevando-as a níveis Fantásticos! Amo PESSOAS! AMO GENTE!

Desenvolvo palestras com temas distintos: Familia, Carreira, MULHERES....

Espero que você goste do nosso conteúdo! Vamos nos conhecendo!

Gratidão Sempre!

Você Super Rica no Facebook

O Natal que Queremos e o Natal que Precisamos: Afinal, o que é realmente importante celebrar nessa data?

  • 21 de dezembro
O Natal que Queremos e o Natal que Precisamos: Afinal, o que é realmente importante celebrar nessa data?

O Natal inspira muitas pessoas. Produz sentimentos, hora adormecidos; queremos está perto de quem está distante, sentimos falta dos que já se foram, e assim, nossos sentimentos afloram. Em muitas pessoas chega a provocar grande tristeza e vazio.

Porém têm aquelas em que o Natal provoca outros sentimentos; dar e receber presentes! Elas ficam eufóricas para comprar e assim poder alegrar seus eleitos e amados!

Presente para todos, organização da ceia, para então, à meia noite, ser tudo liberado… aí sim: vamos comer e abrir os presentes.

Mas existe, porém, uma parte da sociedade que estará à margem de toda festividade natalina, longe do glamour da mídia e de seus efeitos. Essa parcela (e não é pouca), não comerá da famosa ceia natalina, muito menos abrirá presentes à meia noite, quem sabe, nem um abraço terá para partilhar.

Isso me leva a questionar: O Natal que conhecemos, cheio de presentes e com a mesa farta, é realmente o Natal que precisamos? Qual Natal realmente faz sentido em nossas vidas?

Há mais de dois mil anos atrás nascia uma criança que mudaria todo o curso da humanidade, a própria luz do Natal, que dispensa enfeites e luzes artificiais. Nascia a estrela brilhante de  luz incandescente para iluminar todos que habitavam em trevas.

O povo que vive na escuridão verá uma forte luz! E a luz brilhará sobre os que vivem na região escura da morte!
Evangelho de Mateus, cap. 4 vers. 16

Ao darmos uma volta pelas ruas, vemos pessoas apressadas e eufóricas, focadas em suas compras de fim de ano, lojas e casas enfeitadas, luzes muito bonitas e por aí vai. Mas esse não é o real sentido do Natal, parece óbvio, afinal, escutamos isso todo fim de ano, mas é uma pena que não coloquemos esse ensinamento em prática.

E em nossa correria do dia a dia, acabamos esquecendo do pequeno rei, nascendo em uma humilde estrebaria, ao lado de animais, sem nenhum glamour. Para mim, parece uma cena bem distante da habitual ceia, repleta de presentes, comida e enfeites caros.

Sem tempo para refletir sobre o nascimento do Filho de Deus, acabamos por deixar passar batido o real sentido do Natal, que é a doação do amor incondicional de Deus para todos nós. Dizemos celebrar o nascimento de Cristo, mas será que o anfitrião principal da festa está se fazendo presente em nossos corações?

O Natal que precisamos é aquele que nos leva à adoração, à rendição e à submissão total diante de Deus. Onde podemos ser totalmente imersos no seu amor e graça. O Natal que o mundo precisa não está na árvore ou no pisca-pisca, muito menos na mesa abastada de comidas.

O Natal que o mundo precisa está nos joelhos que se dobram, nas mãos que se levantam para adorar e na boca que se abre para exaltar o Deus Supremo; Jesus Cristo é o seu nome.